Mecanismo C3, C4 e CAM – Metabolismo energético

Pontos Principais:

  • Fotorrespiração é uma via metabólica dispendiosa que ocorre quando a enzima rubisco do Ciclo de Calvin atua sobre o oxigênio em vez do dióxido de carbono.
  • A maioria das plantas são plantas C3, que não têm características especiais para combater a fotorrespiração.
  • As plantas C4, minimizam a fotorrespiração ao separar, no espaço, a fixação inicial de  e o ciclo de Calvin, realizando estas etapas em tipos de células diferentes.
  • As plantas com o metabolismo ácido das crassuláceas (CAM) minimizam a fotorrespiração e armazenam água separando estas etapas no tempo, entre noite e dia.

Introdução

Rendimentos elevados em colheitas são muito importantes – para manter as pessoas alimentadas e também para manter a economia funcionando. Se você soubesse que houve um único fator que reduziu as colheitas de trigo em  e as colheitas de soja em nos Estados Unidos, por exemplo, você ficaria curioso para saber que fator seria este.
Como se vê, o fator por trás desses números (reais) é a fotorrespiração. Esta via metabólica dispendiosa começa quando a rubisco, enzima fixadora de carbono do Ciclo de Calvin, captura o invés de . Ela consome o carbono fixado, desperdiça energia, e tende a acontecer quando as plantas fecham seus estômatos (poros foliares) para reduzir a perda de água. Altas temperaturas tornam o processo ainda pior.
Algumas plantas, ao contrário do trigo e da soja, podem escapar dos piores efeitos da fotorrespiração. As vias metabólicas , e CAM são duas adaptações – características benéficas resultantes da seleção natural – que permitem a certas espécies minimizar a fotorrespiração. Estas vias trabalham assegurando que a rubisco sempre encontre altas concentrações de , tornando bastante improvável a ligação com o .
No restante deste artigo, nós examinaremos as vias metabólicas  e CAM e veremos como elas reduzem a fotorrespiração.

Plantas C3

Uma planta “normal” – que não tenha adaptações fotossintéticas para reduzir a fotorrespiração – é chamada de planta . A primeira etapa do Ciclo de Calvin é a fixação do dióxido de carbono pela rubisco, e as plantas que usam apenas este mecanismo “padrão” de fixação do carbono são chamadas de plantas , assim denominadas devido ao composto de três carbonos (3-PGA) produzido pela reação. Cerca de  das espécies de plantas do planeta são plantas , incluindo o arroz, trigo, soja e todas as árvores.

Imagem da via C3. O dióxido de carbono entra em uma célula do mesófilo e é imediatamente fixado pela rubisco, levando à formação de moléculas de 3-PGA, que contêm três carbonos.

Plantas 

Nas plantas , as reações dependentes da luz e o Ciclo de Calvin estão fisicamente separados, com as reações dependentes da luz acontecendo nas células do mesófilo (tecido esponjoso no meio da folha) e o Ciclo de Calvin acontecendo em células especiais ao redor das nervuras. Estas células são chamadas de células da bainha do feixe vascular.
Para ver como esta divisão é benéfica, vamos olhar um exemplo de fotossíntese  em ação. Primeiro, o  atmosférico é fixado nas células do mesófilo para formar um ácido orgânico com 4 carbonos simples (oxaloacetato). Esta etapa é realizada pela enzima PEP carboxilase, que não apresenta tendência para se ligar ao . O oxaloacetato é então convertido em uma molécula similar (malato), que pode ser transportada para o interior das células da bainha do feixe vascular. Dentro da bainha, o malato é quebrado, liberando uma molécula de . O C é então fixado pela rubisco e transformado em açúcares através do Ciclo de Calvin, exatamente como na fotossíntese .

Na via C4, a fixação inicial de carbono ocorre nas células do mesófilo e o ciclo de Calvin ocorre nas células da bainha do feixe. A PEP carboxilase liga uma nova molécula de dióxido de carbono à molécula de três carbonos de PEP, produzindo oxaloacetato (uma molécula de quatro carbonos). O oxaloacetato é convertido em malato, que sai da célula do mesófilo e entra na célula vizinha da bainha do feixe. No interior desta célula, o malato é quebrado para liberar CO, que entra, então, no ciclo de Calvin. O piruvato também é produzido nesta etapa e volta para a célula do mesófilo, onde é convertido em PEP (em uma reação que converte ATP e Pi em AMP e PPi).
Este processo tem seu preço energético: ATP deve ser gasto para retornar a molécula de 3 carbonos “carregadora” da célula do feixe vascular e prepará-la para pegar outra molécula de ,  atmosférico. Contudo, uma vez que as células do mesófilo constantemente bombeiam  para o interior das células vizinhas da bainha do feixe na forma de malato, há sempre uma alta concentração de  relação a  em torno da rubisco. Esta estratégia minimiza a fotorrespiração.
A via metabólica  é usada em cerca de  de todas as plantas vasculares; alguns exemplos são a milhã (ou capim caraguejo), a cana-de-açúcar e o milho. Plantas C4 são comuns em habitats quentes, mas são menos abundantes em áreas mais frias. Em condições quentes, os benefícios da fotorrespiração reduzida provavelmente ultrapassam o custo em ATP de mover o CO2 da célula do mesófilo para a célula da bainha do feixe vascular.

Plantas CAM

Algumas plantas que são adaptadas a ambientes secos, tais como cactos e abacaxis, usam a via do metabolismo ácido das crassuláceas (CAM) para reduzir a fotorrespiração. Este nome vem da família de plantas, Crassulaceae, na qual os cientistas descobriram esta via metabólica.

Imagem de uma planta suculenta.
Crédito da imagem : “Crassulaceae,” by Guyon Morée (CC BY 2.0).
Ao invés de separar as reações dependentes da luz e o uso do CO2 no ciclo de Calvin no espaço, as plantas CAM separam estes processos no tempo. À noite, plantas CAM abrem seus estômatos, permitindo a difusão do CO2 para o interior das folhas. Este CO2 é fixado em oxaloacetato pela PEP carboxilase (a mesma etapa usada pelas plantas C4, e a seguir convertido em malato ou outro tipo de ácido orgânico
O ácido orgânico é armazenado no interior de vacúolos até o dia seguinte. Na luz do dia, as plantas CAM não abrem seus estômatos, mas ainda podem fazer fotossíntese. Isto porque os ácidos orgânicos são transportados para fora dos vacúolos e quebrados para liberar CO2 que entra no ciclo de Calvin. Esta liberação controlada mantém uma alta concentração de CO2 ao redor da rubisco

As plantas CAM separam temporariamente a fixação do carbono e o ciclo de Calvin. O dióxido de carbono entra nas folhas durante a noite (quando os estômatos estão abertos) e é fixado em oxaloacetato pela PEP carboxilase, que liga o dióxido de carbono à molécula de três carbonos PEP. O oxaloacetato é convertido em outro ácido orgânico, como o malato. Este é armazenado até o dia seguinte, quando é quebrado, liberando o dióxido de carbono, que pode ser fixado pela rubisco e entrar no ciclo de Calvin para produzir açúcares.
A via CAM requer ATP em várias etapas (não mostradas acima), e assim como a fotossíntese C4, não é “grátis” em termos energéticos. No entanto, as espécies vegetais que utilizam a fotossíntese CAM não somente evitam a fotorrespiração, mas também são hidricamente muito eficientes. Seus estômatos abrem-se somente à noite, quando a umidade tende a ser mais alta e as temperaturas são mais frias, dois fatores que reduzem a perda de água pelas folhas. Plantas CAM são tipicamente dominantes em áreas muito secas e quentes, como os desertos.

Comparações entre plantas C3, C4 e CAM

Plantas C3, C4 e CAM utilizam, todas elas, o ciclo de Calvin para produzir açúcares a partir de CO2. Estas vias para a fixação de CO2 apresentam diferentes vantagens e desvantagens e tornam as plantas adaptadas a diferentes habitats. O mecanismo  funciona bem em ambientes frescos, enquanto as plantas C4 e CAM estão adaptadas a áreas secas e quentes.
Ambas as vias, C4 e CAM, evoluíram independentemente mais de duas dúzias de vezes, o que sugere que elas podem dar uma significativa vantagem evolutiva às espécies vegetais de climas secos.
Tipo Separação entre a fixação inicial de CO2 e o ciclo de Calvin Estômatos abertos Mais adaptado a
Nenhuma separação Dia Ambientes frios e úmidos
C4 Entre mesófilos e células da bainha vascular (espacial) Dia Ambientes quentes e ensolarados
CAM Entre a noite e o dia (temporal) Noite Ambientes muito quentes e secos
Disponível em : https://pt.khanacademy.org/science/biology/photosynthesis-in-plants/photorespiration–c3-c4-cam-plants/a/c3-c4-and-cam-plants-agriculture
Este artigo é um derivado modificado de “Photosynthetic pathways,” by Robert Bear and David Rintoul, OpenStax CNX, CC BY 4.0. Baixe o artigo original sem custos em http://cnx.org/contents/[email protected].
O artigo adaptado está autorizado sob a licença CC BY-NC-SA 4,0

Referências:

  1. Walker, Berkeley J., VanLoocke, Andy, Bernacchi, Carl J., and Ort, Donald R. (2016). The cost of photorespiration to food production now and in the future. Annual Review of Plant Biology 67, 107. ://dx.doi.org/10.1146/annurev-arplant-043015-111709.
  2. Reece, J. B., Urry, L. A., Cain, M. L., Wasserman, S. A., Minorsky, P. V., and Jackson, R. B. (2011). Alternative mechanisms of carbon fixation have evolved in hot, arid climates. In Campbell biology (10th ed.) San Francisco, CA: Pearson, 201.
  3. Crassulacean acid metabolism. (2016, May 29). Acesso em Julho 22, 2016 disponível em Wikipedia: https://en.wikipedia.org/wiki/Crassulacean_acid_metabolism#Biochemistry.
  4. Raven, Peter H., Johnson, George B., Losos, Mason, Kenneth A., Losos, Jonathan B., and Singer, Susan R. (2014). Photorespiration. In Biology (10th ed., AP ed.). New York, NY: McGraw-Hill, 165.
5.Guralnick, Lonnie J., Amanda Cline, Monica Smith, and Rowan F. Sage. (2008). Evolutionary physiology: the extent of C4 and CAM photosynthesis in the genera Anacampseros and Grahamia of the Portulacaceae. Journal of Experimental Botany, 59(7), 1735-1742. http://dx.doi.org/10.1093/jxb/ern081.

Referências:

Bareja, B. (2015). Plant types: II. In C4 plants, examples, and C4 families. Disponível em: http://www.cropsreview.com/c4-plants.html.
Berg, J. M., Tymoczko, J. L., and Stryer, L. (2002). The Calvin cycle synthesizes hexoses from carbon dioxide and water. In Biochemistry (5th ed., section 20.1). New York, NY: W. H. Freeman. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK22344/.
Bowsher, C., Steer, M., and Tobin, A. (2008). Photosynthetic carbon assimilation. In Plant biochemistry (pp. 93-141). New York, NY: Garland Science.
C4 carbon fixation. (2015, September 26). Acesso em: Out 26, 2015. Disponível em: Wikipedia: https://en.wikipedia.org/wiki/C4_carbon_fixation.
Crassulacean acid metabolism. (2015, September 16). Acesso em: Out 26, 2015. Disponível em: Wikipedia: https://en.wikipedia.org/wiki/Crassulacean_acid_metabolism.
De, D. (2000). Crassulacean acid metabolism. In Plant cell vacuoles: an introduction (pp. 186-187). Collingwood, VIC: CSIRO Publishing.
Guralnick, Lonnie J., Amanda Cline, Monica Smith, and Rowan F. Sage. (2008). Evolutionary physiology: the extent of C4 and CAM photosynthesis in the genera Anacampseros and Grahamia of the Portulacaceae. Journal of Experimental Botany, 59(7), 1735-1742. http://dx.doi.org/10.1093/jxb/ern081.
Koning, R. E. (1994). Photorespiration. In Plant physiology information website. Disponível em: http://plantphys.info/plant_physiology/photoresp.shtml.
Photorespiration. (2015, September 4). Acesso em: Out 26, 2015. Disponível em: Wikipedia: https://en.wikipedia.org/wiki/Photorespiration.
Photosynthesis – an overview. (n.d.) In Biomes. Disponível em: http://w3.marietta.edu/~biol/biomes/photosynthesis.htm.
Purves, W.K., Sadava, D., Orians, G.H., and Heller, H.C. (2003). Photosynthesis: energy from the sun. In Life: the science of biology (7th ed., pp. 145-162). Sunderland, MA: Sinauer Associates, Inc.
Raven, Peter H., Johnson, George B., Losos, Mason, Kenneth A., Losos, Jonathan B., and Singer, Susan R. (2014). Photorespiration. In Biology (10th ed., AP ed., pp. 163-165). New York, NY: McGraw-Hill.
Reece, J. B., Urry, L. A., Cain, M. L., Wasserman, S. A., Minorsky, P. V., and Jackson, R. B. (2011). Alternative mechanisms of carbon fixation have evolved in hot, arid climates. In Campbell biology (10th ed., pp. 201-204). San Francisco, CA: Pearson.
RuBisCO. (n.d.) In Combining algal and plant photosynthesis. Disponível em: https://cambridgecapp.wordpress.com/improving-photosynthesis/rubisco/.
Trueman, Shanon. (n.d.). CAM plants: survival in the desert. In History of botany. Disponível em: http://botany.about.com/od/HistoryBotany/a/Cam-Plants-Survival-In-The-Desert.htm.
Walker, Berkeley J., VanLoocke, Andy, Bernacchi, Carl J., and Ort, Donald R. (2016). The cost of photorespiration to food production now and in the future. Annual Review of Plant Biology 67, 107-129. http://dx.doi.org/10.1146/annurev-arplant-043015-111709. Vascular bundle. (2015, October 19). Acesso em Outubro 26, 2015 disponível em Wikipedia: https://en.wikipedia.org/wiki/Vascular_bundle.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *